SIMULADO DE HISTÓRIA RESOLVIDO PARA ENEM E VESTIBULARES

QUESTÕES DE HISTÓRIA

Questão 01

Batizado por Tancredo Neves de “Nova República”, o período que marca o reencontro do Brasil com os governos civis e a democracia ainda não completou seu quinto ano e já viveu dias de grande comoção. Começou com a tragédia de Tancredo, seguiu pela euforia do Plano Cruzado, conheceu as depressões da inflação e das ameaças da hiperinflação e desembocou na movimentação que antecede as primeiras eleições diretas para presidente em 29 anos.

(O álbum dos presidentes: a história vista pelo JB. Jornal do Brasil. 15 nov. 1989)

O período descrito apresenta continuidades e rupturas em relação à conjuntura histórica anterior. Uma dessas continuidades consistiu na:

A) representação do legislativo com a fórmula do bipartidarismo.

B) detenção de lideranças populares por crimes de subversão.

C) presença de políticos com trajetórias no regime autoritário.

D) prorrogação das restrições advindas dos atos institucionais.

E) estabilidade da economia com o congelamento anual de preços.

Questão 02

A Operação Condor está diretamente vinculada às experiências históricas das ditaduras civilmilitares que se disseminaram pelo Cone Sul entre as décadas de 1960 e 1980. Depois do Brasil (e do Paraguai de Stroessner), foi a vez da Argentina (1966), Bolívia (1966 e 1971), Uruguai e Chile (1973) e Argentina (novamente, em 1976). Em todos os casos se instalaram ditaduras civil militares (em menor ou maior medida) com base na Doutrina de Segurança Nacional e tendo como principais características um anticomunismo militante, a identificação do inimigo interno, a imposição do papel político das Forças Armadas e a definição de fronteiras ideológicas.

(PADRÓS, E. S. et al. Ditadura de Segurança Nacional no Rio Grande do Sul (1964-1985): história e memória. Porto Alegre: Corag, 2009 – adaptado)

Levando-se em conta o contexto em que foi criada, a referida operação tinha como objetivo coordenar a:

A) modificação de limites territoriais.

B) sobrevivência de oficiais exilados.

C) interferência de potências mundiais.

D) repressão de ativistas oposicionistas.

E) implantação de governos nacionalistas.

Questão 03

A regulação das relações de trabalho compõe uma estrutura complexa, em que cada elemento se ajusta aos demais. A Justiça do Trabalho é apenas uma das peças dessa vasta engrenagem. A presença de representantes classistas na composição dos órgãos da Justiça do Trabalho é também resultante da montagem dessa regulação.

O poder normativo também reflete essa característica. Instituída pela Constituição de 1934, a Justiça do Trabalho só vicejou no ambiente político do Estado Novo instaurado em 1937.

(ROMITA, A. S. Justiça do Trabalho: produto do Estado Novo. In: PANDOLFI, D. (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999)

A criação da referida instituição estatal na conjuntura histórica abordada teve por objetivo:

A) legitimar os protestos fabris.

B) ordenar os conflitos laborais.

C) oficializar os sindicatos plurais.

D) assegurar os princípios liberais.

E) unificar os salários profissionais.

Questão 04

No anúncio, há referências a algumas das transformações ocorridas no Brasil nos anos 1950 e 1960. No entanto, tais referências omitem transformações que impactaram segmentos da população, como a:

A) exaltação da tradição colonial.

B) redução da influência estrangeira.

C) ampliação da imigração internacional.

D) intensificação da desigualdade regional.

E) desconcentração da produção industrial.

Questão 05

A África Ocidental é conhecida pela dinâmica das suas mulheres comerciantes, caracterizadas pela perícia, autonomia e mobilidade. A sua presença, que fora atestada por viajantes e por missionários portugueses que visitaram a costa a partir do século XV, consta também na ampla documentação sobre a região. A literatura é rica em referências às grandes mulheres como as vendedoras ambulantes, cujo jeito para o negócio, bem como a autonomia e mobilidade, é tão típico da região.

(HAVIK, P. Dinâmicas e assimetrias afro-atlânticas: a agência feminina e representações na Guiné (séculos XIX e XX). Brasília: LGE; Luanda: Nzila, 2006)

A abordagem realizada pelo autor sobre a vida social da África Ocidental pode ser relacionada a uma característica marcante das cidades no Brasil escravista nos séculos XVIII e XIX, que se observa pela:

A) restrição à realização do comércio ambulante por africanos escravizados e seus descendentes.

B) convivência entre homens e mulheres livres, de diversas origens, no pequeno comércio.

C) presença de mulheres negras no comércio de rua de diversos produtos e alimentos.

D) dissolução dos hábitos culturais trazidos do continente de origem dos escravizados.

E) entrada de imigrantes portugueses nas atividades ligadas ao pequeno comércio urbano.

Questão 06

O que ocorreu na Bahia de 1798, ao contrário das outras situações de contestação política na América Portuguesa, e que o projeto que lhe era subjacente não tocou somente na condição, ou no instrumento, da integração subordinada das colônias no império luso. Dessa feita, ao contrário do que se deu nas Minas Gerais (1789), a sedição avançou sobre a sua decorrência.

(JANCSÓ, I.; PIMENTA, J. P. Peças de um mosaico. Viagem Incompleta: a experiência brasileira (1500-2000). São Paulo: Senac, 2000)

A diferença entre as sedições abordadas no texto encontrava-se na pretensão de:

A) eliminar a hierarquia militar.

B) abolir a escravidão africana.

C) anular o domínio metropolitano.

D) suprimir a propriedade fundiária.

E) extinguir o absolutismo monárquico.

Questão 07

TEXTO I

Documentos do século XVI algumas vezes se referem aos habitantes indígenas como “os brasis”, ou “gente brasília” e, ocasionalmente no século XVII, o termo “brasileiro” era a eles aplicado, mas as referências ao status econômico e jurídico desses eram muito mais populares. Assim, os termos “negro da terra” e “índios”
eram utilizados com mais frequência do que qualquer outro.

(SCHWARTZ, S. B. Gente da terra braziliense da nação. São Paulo: Senac, 2000 – adaptado)

TEXTO II

Índio é um conceito construído no processo de conquista da América pelos europeus. Desinteressados pela diversidade cultural, imbuídos de forte preconceito para com o outro, o indivíduo de outras culturas, espanhóis, portugueses, franceses e anglo-saxões terminaram por denominar da mesma forma povos tão díspares quanto os tupinambás e os astecas.

(SILVA, K. V.; SILVA, M. H. Dicionário de conceitos históricos. São Paulo: Contexto, 2005)

Ao comparar os textos, as formas de designação dos grupos nativos pelos europeus, durante o período analisado, são reveladoras da:

A) concepção idealizada do território, entendido como geograficamente indiferenciado.

B) percepção corrente de uma ancestralidade comum às populações ameríndias.

C) compreensão etnocêntrica acerca das populações dos territórios conquistados.

D) transposição direta das categorias originadas Mno imaginário medieval.

E) visão utópica configurada a partir de fantasias de riqueza.

Questão 08

Uma scena franco-brazileira: “franco” – pelo local e os personagens, o local que é Paris e os personagens que são pessoas do povo da grande capital; “brazileira” pelo que ahi se está bebendo: café do Brazil. O Lettreiro diz a verdade apregoando que esse é o melhor de todos os cafés. (Essa página foi desenhada especialmente para A Ilustração Brazileira pelo Sr. Tofani, desenhista do Je Sais Tout.)

(A Ilustração Brazileira, n. 2, 15 jun. 1909 – adaptado)

A página do periódico do início do século XX documenta um importante elemento da cultura francesa, que é revelador do papel do Brasil na economia mundial, indicado no seguinte aspecto:

A) Prestador de serviços gerais.

B) Exportador de bens industriais.

C) Importador de padrões estéticos.

D) Fornecedor de produtos agrícolas.

E) Formador de padrões de consumo.

Questão 09

O regime do Apartheid adotado de 1948 a 1994 na África do Sul fundamentava-se em ações estatais de segregacionismo racial. Na imagem, fuzileiros navais fazem valer a “lei do passe” que regulamentava o(a):

A) concentração fundiária, impedindo os negros de tomar posse legítima do uso da terra.

B) boicote econômico, proibindo os negros de consumir produtos ingleses sem resistência armada.

C) sincretismo religioso, vetando os ritos sagrados dos negros nas cerimônias oficiais do Estado.

D) controle sobre a movimentação, desautorizando os negros a transitar em determinadas áreas das cidades.

E) exclusão do mercado de trabalho, negando à população negra o acesso aos bens de consumo.

Questão 10

O coronelismo era fruto de alteração na relação de forças entre os proprietários rurais e o governo, e significava o fortalecimento do poder do Estado antes que o predomínio do coronel. Nessa concepção, o coronelismo é, então, um
sistema político nacional, com base em barganhas entre o governo e os coronéis. O coronel tem o controle dos cargos públicos, desde o delegado de polícia ate a professora primária. O coronel hipoteca seu apoio ao governo, sobretudo na forma de voto.

(CARVALHO, J. M. Pontos e bordados. Belo Horizonte: Editora UFMG. 1998 – adaptado)

No contexto da Primeira República no Brasil, as relações políticas descritas baseavam-se na:

A) coação das milícias locais.

B) estagnação da dinâmica urbana.

C) valorização do proselitismo partidário.

D) disseminação de práticas clientelistas.

E) centralização de decisões administrativas.

Questão 11

Em 1935, o governo brasileiro começou a negar vistos a judeus. Posteriormente, durante o Estado Novo, uma circular secreta proibiu a concessão de vistos a “pessoas de origem semita”, inclusive turistas e negociantes, o que causou uma queda de 75% da imigração judaica ao longo daquele ano. Entretanto, mesmo com as imposições da lei, muitos judeus continuaram  entrando ilegalmente no país durante a guerra e as ameaças de deportação em massa nunca foram concretizadas, apesar da extradição de alguns indivíduos por sua militância política.

(GRIMBERG, K. Nova língua interior: 500 anos de história dos judeus no Brasil. In: IBGE. Brasil: 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro: IBGE. 2000)

Uma razão para a adoção da política de imigração mencionada no texto foi o(a):

A) receio do controle sionista sobre a economia nacional.

B) reserva de postos de trabalho para a mão de obra local.

C) oposição do clero católico à expansão de novas religiões.

D) apoio da diplomacia varguista às opiniões dos líderes árabes.

E) simpatia de membros da burocracia pelo projeto totalitário alemão.

Questão 12

TEXTO I
Os santos tornaram-se grandes aliados da Igreja para atrair novos devotos, pois eram obedientes a Deus e ao poder clerical. Contando e estimulando o conhecimento sobre a vida dos santos, a Igreja transmitia aos fiéis os ensinamentos que julgava corretos e que deviam ser imitados por escravos que, em geral, traziam outras crenças de suas terras de origem, muito diferentes das que preconizava a fé católica.

(OLIVEIRA; A. J. Negra devoção. Revista de História da Biblioteca Nacional, n. 20, maio 2007 – adaptado )

Posteriormente ressignificados no interior de certas irmandades e no contato com outra matriz religiosa, o ícone e a prática mencionada no texto estiveram desde o século XVII relacionados a um esforço da Igreja Católica para:

A) reduzir o poder das confrarias.

B) cristianizar a população afro-brasileira.

C) espoliar recursos materiais dos cativos.

D) recrutar libertos para seu corpo eclesiástico.

E) atender a demanda popular por padroeiros locais.

Questão 13

Pois quem seria tão inútil ou indolente a ponto de não desejar saber como e sob que espécie de constituição os romanos conseguiram em menos de cinquenta e três anos submeter quase todo o mundo habitado ao seu governo exclusivo – fato nunca antes ocorrido? Ou, em outras palavras, quem seria tão apaixonadamente devotado a outros espetáculos ou estudos a ponto de considerar qualquer outro objetivo mais importante que a aquisição desse conhecimento?

(POLÍBIO. História. Brasília: Edilora UnB, 1985)

A experiência a que se refere o historiador Políbio, nesse texto escrito no século II a.C., é a:

A) ampliação do contingente de camponese livres.

B) consolidação do poder das falanges hoplitas.

C) concretização do desígnio imperialista.

D) adoção do monoteísmo cristão.

E) libertação do domínio etrusco

Questão 14

Nos Estados Unidos, durante o século XIX, tal como representada no mapa, a relação entre território e nação foi reconfigurada por uma política que:

A) transferiu as populações indígenas para territórios de fronteira anexados, protegendo a cultura protestante dos migrantes fundadores da nação norte-americana.

B) respondeu às ameaças europeias pelo fim da escravidão, integrando a população de escravos ao projeto de expansão por meio da doação de terras.

C) assinou acordos com países latino-americanos, ajudando na reestruturação da economia desses países após suas independências.

D) projetou o avanço de populações excedentes para além da faixa atlântica, reformulando fronteiras para o estabelecimento de um país continental.

E) instalou manufaturas nas áreas compradas e anexadas, visando utilizar a mão de obra barata das populações em trânsito.

Questão 15

Para além de objetivos específicos, muitos movimentos sociais interferem no contexto sociopolítico e ultrapassam dimensões imediatas, como foi o caso das mobilizações operárias, ocorridas em 1979 na cidade de São Paulo.

Nesse sentido, ao mesmo tempo em que lutavam por seus direitos, essas mobilizações contribuíram com o(a):

A) elaboração de novas políticas que garantiram a estabilidade econômica do país.

B) instalação de empresas multinacionais no Brasil.

C) legalização dos sindicatos no Brasil.

D) surgimento das políticas governamentais assistencialistas.

E) processo de redemocratização do Brasil.

Questão 16

Com seu manto real em verde e amarelo, as cores da casa dos Habsburgo e Bragança, mas que lembravam também os tons da natureza do “Novo Mundo”, cravejado de estrelas representando o Cruzeiro do Sul e, finalmente, com o cabeção de penas de papo de tucano em volta do pescoço, D. Pedro II foi coroado imperador do Brasil. O monarca jamais foi tão tropical.

Entre muitos ramos de café e tabaco, coroado como um César em meio a coqueiros e paineiras, D. Pedro transformava-se em sinônimo da nacionalidade.

(SCHWARCZ, L. M. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Cia. das Letras, 1998 – adaptado)

No Segundo Reinado, a Monarquia brasileira recorreu ao simbolismo de determinadas figuras e alegorias. A análise da imagem e do texto revela que o objetivo de tal estratégia era:

A) exaltar o modelo absolutista e despótico.

B) valorizar a mestiçagem africana e nativa.

C) reduzir a participação democrática e popular.

D) mobilizar o sentimento patriótico e antilusitano.

E) obscurecer a origem portuguesa e colonizadora.

Questão 17

O número de votantes potenciais em 1872 era de 1097698, o que correspondia a 10,8% da população total. Esse número poderia chegar a 13%, quando separamos os escravos dos demais indivíduos. Em 1886, cinco anos depois de a Lei Saraiva ter sido aprovada, o número de cidadãos que poderiam se qualificar eleitores era de 117022, isto é, 0,8% da população.

(CASTELLUCCI, A. A. S. Trabalhadores, máquina política e eleições na Primeira República. Disponível em: www.ifch.unicamp.br. Acesso em: 28 jul 2012)

A explicação para a alteração envolvendo o número de eleitores no período é a:

A) criação da Justiça Eleitoral.

B) exigência da alfabetização.

C) redução da renda nacional.

D) exclusão do voto feminino.

E) coibição do voto de cabresto.

Questão 18

Aquarela do Brasil
Brasil!
Meu Brasil brasileiro
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos
O Brasil, samba que dá
Bamboleio que faz gingar
O Brasil do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil! Pra mim! Pra mim, pra mim!
Ah! Abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do Cerrado
Bota o rei congo no congado
Brasil! Pra mim!
Deixa cantar de novo o trovador
A merencória luz da lua
Toda canção do meu amor
Quero ver a sá dona caminhando
Pelos salões arrastando
O seu vestido rendado
Brasil! Pra mim, pra mim, pra mim!

(ARY BARROSO. Aquarela do Brasil, 1939)

Muito usual no Estado Novo de Vargas, a composição de Ary Barroso é um exemplo típico de:

A) música de sátira.

B) samba exaltação.

C) hino revolucionário.

D) propaganda eleitoral.

E) marchinha de protesto.

Questão 19

A imagem da relação patrão-empregado geralmente veiculada pelas classes dominantes brasileiras na República Velha era de que esta relação se assemelhava em muitos aspectos à relação entre pais e filhos. O patrão era uma espécie de “juiz doméstico” que procurava guiar e aconselhar o trabalhador, que, em troca, devia realizar suas tarefas com dedicação e respeitar o seu patrão.

(CHALHOUB, S. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores do Rio de Janeiro da Belle Époque. Campinas: Unicamp. 2001)

No contexto da transição do trabalho escravo para o trabalho livre, a construção da imagem descrita no texto tinha por objetivo:

A) esvaziar o conflito de uma relação baseada na desigualdade entre os indivíduos que dela participavam.

B) driblar a lentidão da nascente Justiça do Trabalho, que não conseguia conter os conflitos cotidianos.

C) separar os âmbitos público e privado na organização do trabalho para aumentar a eficiência dos funcionários.

D) burlar a aplicação das leis trabalhistas conquistadas pelos operários nos primeiros governos civis do período republicano.

E) compensar os prejuízos econômicos sofrido pelas elites em função da ausência de indenização pela libertação dos escravos.

Questão 20

A Lei das Doze Tábuas, de meados do século V a.C., fixou por escrito um velho direito costumeiro. No relativo às dívidas não pagas, o código permitia, em última análise, matar o devedor; ou vendê-lo como escravo “do outro lado do Tibre” – isto é, fora do território de Roma.

(CARDOSO, C. F. S. O trabalho compulsório na Antiguidade. Rio de Janeiro: Graal, 1984)

A referida lei foi um marco na luta por direitos na Roma Antiga, pois possibilitou que os plebeus:

A) modificassem a estrutura agrária assentada no latifúndio.

B) exercessem a prática da escravidão sobre seus devedores.

C) conquistassem a possibilidade de casamento com os patrícios.

D) ampliassem a participação política nos cargos políticos públicos.

E) reivindicassem as mudanças sociais com base no conhecimento das leis.

 

GABARITO:

01 – C

02 – D

03 – B

04 – D

05 – C

06 – B

07 – C

08 – D

09 – D

10 – D

11 – E

12 – B

13 – C

14 – D

15 – E

16 – E

17 – B

18 – B

19 – A

20 – E

Deixe um comentário